AC/DC   Biografia da banda (integrantes, histórias, músicas e álbuns)

ACDC

história do ACDC, músicas e discografia do ACDC

No começo, em 1955, a face do rock and roll estava mudando rapidamente. Este foi o ano em que Elvis apareceu pela primeira vez nas paradas, Bill Halley and the Comets fazia todos dançarem em volta do relógio, Chuck Berry encontrava Muddy Waters, e o maior guitarrista de todos os tempos, Angus Young, nascia. Mas ele não nasceu um rock-star, claro… para chegar lá ele teve uma pequena ajuda de seus irmãos.

Angus e Malcolm foram apresentados ao cenário do rock and roll por seu irmão mais velho, George. Ele se tornou um grande astro na Austrália em meados da década de 60 com um grupo chamado Easybeats.

Isto deixou uma impressão nos dois irmãos mais novos e os dois acabaram aprendendo a tocar guitarra, tomando lições de George quando este não estava em turnê. Depois eles montaram a sua própria banda.

Malcolm participou de algumas bandas de garagem que não chegaram a lugar algum. Em 1971 chegou a participar de uma banda chamada Velvet Underground (uma homônima, não a que ficou famosa com Lou Reed e Nico). Angus, por seu lado, montou uma banda chamada Tantrum. As únicas apresentações foram em festas escolares. Isto durou até 1973, quando ambos se juntaram para formar o AC/DC.

A estréia do AC/DC ocorreu na festa de ano novo de 1973 no clube noturno Sydney’s Chequers. A formação inicial da banda contava com Angus na guitarra solo, Malcolm na guitarra base, Colin Burgess na bateria, Van Knedt no baixo e Dave Evans nos vocais.

A formação sofreu diversas alterações. Primeiro Colin Burgess saiu, sendo substituído por Ron Carpenter. Depois Larry Van Knedt saiu sendo substituído por Rob Bailey. Carpenter não durou muito e foi substituído por Russell Coleman, logo depois trocado por Peter Clark.

A formação Young / Young / Evans / Bailey / Clark gravou o primeiro single da banda, “Can I Sit Next to You Girl / Rockin’ In the Parlour”. As próximas mudanças na formação foram decisivas. O motorista da banda, Bon Scott, disse que sabia tocar bateria e logo tomou o lugar de Peter Clarks. Ele também trouxe para a banda Bruce Houwe, baixista, substituindo Bailey. Não demorou muito para que Angus e Malcon se cansassem de Dave Evans que assumia uma postura cada vez mais glam rock. Então Evans saiu e Bon se tornou o frontman do AC/DC. Logo depois Houwe saiu e George Young assumiu o baixo.

O álbum de estréia do AC/DC, “High Voltage” foi gravado em apenas 10 dias e lançado na Austrália em Fevereiro de 1975. Phill Rudd e Mark Evans foram chamados para assumir a bateria e baixo. Esta formação gravaria os próximos três álbuns, “TNT” em 1975 e “Dirty Deeds Done Dirt Cheap” em 1976. As gravações de “TNT” foram lançadas em alguns países apenas como parte integrante do álbum “High Voltage”.

“Let There be Rock” saiu em 1977. É deste disco um dos maiores clássicos da banda, presente em todos os shows desde então, “Whole Lotta Rosie”. Durante a turnê uma briga entre Angus e Mark levou este último a abandonar a banda. Não se trataram de diferenças musicais ou coisa parecida, e sim de uma briga de verdade, com os punhos, aparentemente por causa de uma mulher.

O AC/DC não teve problemas em conseguir um novo baixista. Rapidamente contrataram Cliff Williams, que está na banda desde então. Esta formação gravou alguns dos melhores álbuns do AC/DC. Em 1978 saiu “Powerage”. Depois lançaram o álbum ao vivo “If You Want Blood You’ve Got It” que foi gravado a partir de fitas de diferentes shows em 1978.

Finalmente gravaram o que é considerado o melhor disco da era Bon Scott, “Highway to Hell”, em 1979. O título é uma referência (e uma sátira, claro) a “Stairway To Heaven”, do Led Zeppelin. Vem deste disco (pelo título e por causa da gravura da capa) a fama de satanistas do AC/DC. Os boatos de pacto com o diabo e de que a banda seria uma má influência para a juventude foram reforçados quando um famoso assassino que se entitulava Night Crawler foi preso e se declarou fã da banda.

O AC/DC estava recebendo sua merecida popularidade mundial quando uma tragédia aconteceu. Em 19 de fevereiro de 1980 o vocalista da banda, Bon Scott, foi achado morto no banco de trás do carro de um amigo. Em um pronunciamento oficial à imprensa foi informado que Bon morrera de causas naturais, mas como ele havia bebido muito na noite anterior, acredita-se que ele tenha morrido ao desmaiar e se sufocar com seu próprio vômito. Há também boatos de que haveria heroína envolvida, mas a verdade nunca será comprovada.

A questão era decidir se deveriam continuar. Malcolm e Angus rapidamente decidiram que deveriam, e começaram a procurar o substituto em março. Muitos se apresentaram, mas nenhum parecia o artista certo por uma razão ou por outra. Um fã de 14 anos de Chicago enviou uma carta ao AC/DC recomendando o cantor Brian Johnson, que tocava na banda Geordie. Malcolm lembrou de ter assistido a um show da banda Geordie e que o próprio Bon havia comentado sobre que grande cantor Brian Johnson era. A banda fez uma audição com Johnson e pronto.

O próximo álbum da banda, “Back in Black”, foi uma obra de arte. Bon havia escrito 15 músicas antes de sua morte, mas todas as composições foram abandonadas. A banda achava que não seria certo que outra pessoa cantasse as músicas de Bon, então compuseram o álbum inteiro novamente. O álbum foi lançado em julho de 1980, com uma capa preta como tributo a Bon Scott. Esta gravação se tornou na época o disco heavy metal mais vendido, com mais de 10 milhões de cópias.

O AC/DC alcançou o auge da fama por volta de 1981. “Dirty Deeds Done Dirt Cheap” foi finalmente lançado nos Estados Unidos e rapidamente se tornou um sucesso, chegando a vender mais que “Back in Black” durante algum tempo. Eles finalmente eram super-stars.

A formação que gravou “Back in Black” gravou mais dois álbuns. Em 1981 lançaram “For Those About to Rock We Salute You”, que foi o seu único álbum a atingir o número 1 na Bilboard.

Após uma imensa turnê mundial gravaram “Flick of the Switch” em 1983. O baterista Phil Rudd estava envolvido com drogas e pouco participou das gravações. Uma briga (de verdade, com os punhos) entre ele e outro membro da banda não revelado ao público foi a gota dágua para que ele fosse despedido da banda.

Para achar um novo baterista o AC/DC colocou um anúncio em uma revista de heavy metal, não dizendo de que banda se tratava. Quando Simon Wright, que tinha 20 anos na época, apareceu para a audição, ficou surpreso ao descobrir que estava sendo testado para o AC/DC. De qualquer forma a banda gostou do que viu, Simon se juntou à banda, e esta formação gravou “Fly on the Wall” em 1985.

Em 1986 lançaram “Who Made Who”, que é considerado por muitos um álbum de greatest hits da banda. Na realidade é apenas a trilha sonora do filme “Maximum Overdrive”, de Stephen King. As canções foram escolhidas por Stephen, que é um grande fã do AC/DC.

Em 1988 gravaram “Blow Up Your Video”, e mudaram novamente de formação. Desta vez o baterista saiu voluntariamente. Simon Wright sempre foi um grande fã da banda Dio e quando Ronnie James Dio o convidou a se juntarem, Simon não demorou a tomar a sua decisão. O substituto foi Chris Slade, que havia tocado com Tom Jones e o The Firm. O novo álbum “The Razor’s Edge” foi gravado em 1990. Apesar de desfalcados de Simon, o álbum, produzido pelo próprio AC/DC em parceria com Bruce Fairbain (que havia trabalhado com Bon Jovi e Aerosmith), foi considerado por muitos o melhor álbum desde “For Those ABout To Rock”.

Até esta época a banda havia lançado apenas um disco ao vivo. Decidiram então que era hora de um novo registro. Em 1992 “Live” foi lançado em dois formatos, CD simples e CD duplo, com a versão dupla, de circulação limitada, mais direcionada aos colecionadores.

Em 1995 foi anunciado que Rudd estaria de volta à banda. O novo álbum, “Ballbreaker”, foi lançado em setembro. A turnê mundial começou em 1996, incluindo apresentações no Brasil.

Para cumprir uma cláusula de contrato com a gravadora que previa o lançamento de uma boxset, em 1997 começou a ser preparada a caixa “Bonfire”. Ao contrário do caminho mais fácil de lançar uma grande coletânea de greatest hits, a banda preparou um verdadeiro tributo a Bon Scott. Pesquisas foram iniciadas para recuperar fitas-demos deixadas pelo vocalista bem como registros de shows. Malcolm, Angus e George passaram meses ouvindo material e escolhendo as gravações que melhor capturaram Bon Scott. A caixa foi lançada em novembro, composta por cinco CDs: a íntegra de um show para uma rádio em 1977 (“Live From The Atlantic Studios”), uma das últimas performances de Bon em 1979 (“Let There Be Rock – The Movie – Live In Paris”, CD duplo), uma coletânea de demos, músicas inéditas e versões raras ao-vivo (“Volts”) e o relançamento de “Back In Black” (com encarte original da versão em vinil e colocado na caixa por se tratar de um tributo a Bon Scott). “Bonfire” trazia ainda um livreto, poster, adesivo, tatuagem, palheta de guitarra e um chaveiro abridor de garrafas.

Em 1998, após tour mundial de lançamento da box-set e merecidas férias, começaram os trabalhos de composição e gravação para o novo álbum, trabalho este feito com calma excessiva, que resultaria no lançamento apenas em 2000 de “Stiff Upper Lip”. Brian Johnson praticamente não participou do processo de composição do novo álbum, ocupado com seu trabalho de produtor de outras bandas e participação em projetos solo.

Palavras relacionadas a este artigo:
  • ac/dc banda de rock presente
  • ac/dc integrantes
  • biografia dos integrantes da banda acdc
  • ECDC INTEGRANTES
  • história da banda ac dc