História da Televisão: conheça a ‘vida’ do aparelho favorito dos brasileiros (invenção da TV)

história da televisão

história da televisão, origem do aparelho de televisão

As transmissões por ondas eletromagnéticas, ou seja, por ondas de rádio, as quais chamamos de radiotransmissão, possibilitaram, primeiramente, as transmissões de voz, posteriormente de imagens e nos dias de hoje as transmissões de dados.

Em 1893, no Brasil, ocorre a primeira radiotransmissão da qual se tem notícia.

O padre gaúcho Roberto Landell de Moura realiza, na cidade de São Paulo, da Avenida Paulista para o Bairro de Santana, as primeiras transmissões sem fio, com aparelhos de sua invenção, numa distância aproximada de oito quilômetros, em linha reta, entre o aparelho transmissor e o receptor. Esse acontecimento foi presenciado, inclusive, pelo então Cônsul Britânico em São Paulo, Sr. Lupton. Somente um ano depois, Marconi inicia as suas experiências de radiotransmissão.

Invento de Landell:

Como padre, Landell encontra sérias dificuldades perante a Igreja, que não vê com bons olhos seus inventos e é considerado louco por suas idéias, inclusive, por pessoas ligadas ao governo.

Em 1904, o Padre Landell começa a criar o projeto de transmissão de imagens a distância, ou seja, a Televisão.

Talvez isso tenha sido o fator definitivo, juntamente com seu discurso, de que seus inventos pudessem transmitir seus sinais não só entre distâncias na mesma cidade, no mesmo país, mas ultrapassar oceanos e até mesmo possibilitar a comunicação entre planetas.

O “grande prêmio” que recebe é a destruição de seu laboratório por fanáticos religiosos, na cidade de Campinas, São Paulo.

Desenvolvimento da tecnologia e primeiras transmissões de imagens:

A idéia de trabalhar com imagens está ligada a história da civilização. Já nos tempos primitivos, o homem deixava suas impressões em forma de desenhos para que gerações posteriores pudessem aprender ou os reverenciar. Ainda hoje, é através deles que conseguimos criar teorias sobre como era a vida naquela época.

Com o desenvolvimento das técnicas, a pintura passou a reproduzir quase em tom fiel as imagens de sua época, mas não perdeu a dose de emoção; como, fazer com que os reis fossem mais majestosos do que eram, assim como rainhas, princesas e mulheres serem mais bonitas.

A fotografia fez com que a realidade fosse impressa com um tom maior de fidelidade. Os retoques, os ângulos, a luz influenciavam e ainda influenciam no resultado final, assim como hoje contamos com a ajuda dos computadores que manipulam as fotos.

O cinema deu vida aos quadros parados e ficamos mais próximos da reprodução da realidade. Mas por outro lado, também proporcionou-nos ilusões que tornavam-se possíveis diante de nossos olhos, através de efeitos. Essas fantasias ficaram tão próximas de serem uma realidade que transformou o cinema numa indústria de ilusões.

A televisão também herdou algumas características do cinema, mas sua proximidade com o tempo presente, sua praticidade de estar dentro de um lar, deram possibilidades a tornar esse, o meio mais poderoso de transmissão de informações. Não podemos dizer que a televisão não cumpre seu papel social, cumpre e às vezes mais eficiente que qualquer outro, mas quando está em jogo interesses políticos e comerciais, ela consegue modificar os fatos na opinião popular.

A história da televisão deve-se a grandes matemáticos e físicos, pertencentes às ciências exatas que entregaram para as ciências humanas um grande e poderoso veículo. Desde o início do século XIX, os cientistas estavam preocupados com a transmissão de imagens a distância e foi com o invento de Alexander Bain, em 1842, que obteve-se a transmissão telegráfica de uma imagem (fac-símile), atualmente conhecido como fax.

Em 1817, o químico sueco Jakob Berzelius descobriu o Selênio, mas só 56 anos depois, em 1873, que o inglês Willoughby Smith comprovou que o Selênio possuía a propriedade de transformar energia luminosa em energia elétrica. Através desta descoberta pôde-se formular a transmissão de imagens por meio de corrente elétrica.

Em 1892, Julius Elster e Hans Getiel inventaram a célula fotoelétrica. Em 1906, Arbwehnelt desenvolveu um sistema de televisão por raios catódicos, sendo que o mesmo ocorreria na Rússia por Boris Rosing. O sistema empregava a exploração mecânica de espelhos somada ao tubo de raios catódicos.

Em 1920, realizaram-se as verdadeiras transmissões, graças ao inglês John Logie Baird, através do sistema mecânico baseado no invento de Nipkow.

Quatro anos depois, em 1924, Baird transmitiu contornos de objetos a distância e no ano seguinte, fisionomias de pessoas. Já em 1926, Baird fez a primeira demonstração no Royal Institution em Londres para a comunidade científica e logo após assinou contrato com a BBC para transmissões experimentais. O padrão de definição possuía 30 linhas e era mecânico.

Nesse período, em 1923, o russo Wladimir Zworykin patenteou o iconoscópio, invento que utilizava tubos de raios catódicos. Em 1927, também Philo Farnsworth patenteou um sistema dissecador de imagens por raios catódicos, mas com nível de resolução não satisfatório. Zworykin foi convidado pela RCA a encabeçar a equipe que produziria o primeiro tubo de televisão, chamado orticon, que passou a ser produzido em escala industrial a partir de 1945.

Em março de 1935, emite-se oficialmente a televisão na Alemanha, e em novembro na França, sendo a Torre Eiffel o posto emissor.

Em 1936, Londres utiliza imagens com definição de 405 linhas e inaugura-se a estação regular da BBC. No ano seguinte, três câmeras eletrônicas transmitem a cerimônia da Coroação de Jorge VI, com cerca de cinqüenta mil telespectadores.

Em 1939 iniciam-se as transmissões nos Estados Unidos. A National Broadcasting Company (NBC) transmitia, inicialmente, para cerca de 400 aparelhos na cidade de Nova Iorque, utilizando uma resolução de 340 linhas com trinta quadros por segundo.

No Brasil:

Também em 1939 acontece a primeira transmissão de televisão em circuito fechado, que se tem conhecimeto no Brasil. Foi durante a Feira Internacional de Amostras na cidade do Rio de Janeiro, então capital do país, utilizando equipamentos de origem alemã.

Em 1948, Assis Chateaubriand, viajou aos Estados Unidos para comprar equipamentos de televisão, acompanhado de Mário Alderighi e Jorge Edo, técnicos do rádio brasileiro, que iniciaram estágios na RCA (Radio Corporation of America) e na NBC, em Nova York, para aprenderem a utilizar esses equipamentos que chegariam ao Brasil dois anos depois.

Também em 1948, durante a comemoração do centenário da cidade de Juiz de Fora em Minas Gerais, houve transmissão experimental de televisão, mostrando cenas do Congresso Eucarístico, realizado na cidade, e o jogo de futebol entre os clubes Bangu (RJ) e Tupi.

Em 1949, um grupo de acionistas em São Paulo pretendiam criar um canal de televisão, a TV Paulista, canal 5, em 1950 ou 1951. Mas, segundo boatos, Assis Chateaubriand teria criado obstáculos ao projeto para inaugurar antes a TV Tupi, canal 3, de sua propriedade.

Transmissão em cores:

As transmissões regulares em cores, nos Estados Unidos, começaram em 1954. Mas já em 1929, Hebert Eugene Ives realizou, em Nova Iorque, as primeiras imagens coloridas com 50 linhas de definição. Peter Goldmark aperfeiçoou o invento mecânico fazendo demonstrações com 343 linhas, em 1940.

Vários sistemas foram criados, mas todos iam de encontro a uma forte barreira: se um sistema novo surgisse, o que fazer com os aparelhos antigos preto e branco que já eram cerca de 10 milhões no início dos anos 50?

Criou-se nos Estados Unidos um comitê especial para, no sentido literal, colocar cor no sistema preto e branco. Esse comitê recebeu o nome de National Television System Committee, cujas iniciais serviriam para dar nome ao novo sistema, NTSC. O sistema desenvolvido baseava-se em utilizar o padrão preto e branco que trabalhava com níveis de luminância e acrescentaram a crominância, ou seja a cor. O princípio de captar e receber as imagens em cores está na decomposição da luz branca em três cores primárias que são vermelho, o verde e o azul.

Na recepção o processo é inverso, a imagem se compõe através da somatória das cores no pixel, ou seja, nos pontos da tela do televisor.

Em 1967, entra em funcionamento, na Alemanha, uma variação do sistema americano, resolvendo algumas debilidades desse sistema que recebeu o nome de Phase Alternation Line, dando as iniciais para o sistema PAL.

A primeira transmissão oficial em cores no Brasil ocorreu em 19 de fevereiro de 1972.